(Foto: Reprodução)

A 16ª DP (Barra da Tijuca) responsável pelo inquérito que apura a morte de Kevin Nascimento Bueno, de 23 anos, o MC Kevin, sugeriu à Justiça o arquivamento do caso. De acordo com a distrital, falta elementos que comprovem a existência de crime, mas sim que teria acontecido um acidente. O MC morreu no dia 16 de maio após cair da sacada do quinto andar de um hotel na Barra da Tijuca, na Zona Oeste.

O parecer da Polícia Civil disse que os novos depoimentos das testemunhas não acrescentaram informações “relevantes ou contraditórias” além das que já haviam sido apuradas. A linha de investigação da distrital, liderada pelo delegado Leandro Gontijo, entendeu que o cantor tentou sair do quarto onde estava pulando a varanda para alcançar o andar inferior. Ele teria perdido o apoio, se desequilibrou e caiu. “Fato trágico, porém atípico, sem previsão legal penal para os envolvidos”, concluiu a 16ª DP.

A conclusão da Polícia Civil confirma o que já havia sido apresentado pela perícia do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE). Segundo o laudo do instituto, o cantor teve uma queda acidental da varanda da suíte 502, sem indícios de que antes disso ele tivesse brigado, ou de ações violentas e crimes.

A modelo Bianca Dominguez, que estava no quarto acompanhando o MC no momento do incidente, foi a última a prestar, pela segunda vez, o depoimento sobre o dia em que Kevin morreu. Ela foi até a DP na última quarta-feira, a pedido do promotor Marcos Kac, da 1ª Promotoria de Investigação Penal Territorial da Zona Sul e Barra da Tijuca. Ela revelou que fez sexo com o Kevin e com o amigo do cantor Victor Elias Fontenelle, o MC VK, que também estava na suíte.